Adico

Shop

Adico Design Lab

O design intemporal é a missão que a Adico assumiu há mais de 100 anos

A mais antiga empresa de mobiliário metálico em Portugal, e uma das mais antigas da Europa ainda em atividade, construiu um legado inegável assente num design único e intemporal.

A fidelidade a este ADN Adico tem sido um dos fatores críticos para o sucesso e longevidade da empresa e o design é uma área a que a Adico é particularmente sensível e na qual tem investido, abrindo as portas às ideias inovadoras de artistas, designers, arquitetos e criadores.

A criação de peças icónicas em parceria com reputados artistas nacionais e internacionais, tais como Luís Laranjeira, Pedro Sottomayor, António Cayuelas, André Pinto, Emília Dias, Eduardo Rodrigues, entre muitos outros, é o reflexo de uma visão de futuro, suportada por uma forma de estar centenária.

Em 2021, e para assinalar o 100º aniversário, a Adico inaugurou o Prémio Adico — Design para os próximos 100 anos, um projeto de continuidade e um elemento central nesta missão de continuar a desenhar o futuro em conjunto com as gerações mais jovens.

Numa colaboração com a Faculdade de Engenharia e a Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, com o objetivo de refletir sobre o futuro do design de mobiliário metálico e fomentar o contacto com o exterior e a Academia, a Adico premiou os melhores projetos realizados por alunos do Mestrado em Design Industrial e de Produto.

Luís Solénio Laranjeira

Arquiteto, formado pela FAUP em 1988, trabalha nas áreas de habitação, equipamento, planeamento urbano e desenho de mobiliário. Integra, desde 2004, com a arquiteta Adelina Costa, a empresa LA Design, sediada em Avanca.

Iniciou a sua colaboração com a Adico em 1990, tendo desde então a seu cargo os projetos de arquitetura para as instalações da empresa. No âmbito do design de produto, foi autor de mobiliário para restauração entre 1994 e 2008, e de mobiliário hospitalar entre 2008 e 2018. Foi ainda autor de diversos stands de exposição para feiras em que a Adico participou.

A cadeira “Arpa” tem um desenho vagamente zoomórfico e carateriza-se por ter uma estrutura de forma simples com referência à geometria da “Cadeira Portuguesa”, mas espacialmente mais contida. Cada uma das três versões personaliza-se nas formas do assento e, principalmente, do encosto.

Arpa 1

Ano: 2003

Moderada e equilibrada, difunde um clima brando no meio envolvente, sem perder a visibilidade da sua personalidade. As suas cores pastel facilitam a interação com distintos elementos do espaço, mantendo a autonomia da comunicação estrutural.

Arpa 2

Ano: 2003

De linhas ondeantes, integra-se em ambientes urbanos em diálogo com materiais naturais mais vincados, como sejam, a madeira e a pedra. A conjugação de cores foi estudada para coexistirem em conjunto.

Arpa 3

Ano: 2003

De linhas mais sóbrias, esta cadeira contribui para a dinamização dos espaços, sem perder a lógica do contexto.

Z

Ano: 2004

Do desenho orgânico, simples de um só gesto livre, com encosto inspirado na lona, a cadeira Z é direcionada para ambientes modernos, onde as cores aliadas à sua estrutura linear em Z projetam um toque de sofisticação.

Realizador

Ano: 2004

Este projeto surge como uma interpretação metálica da tradicional cadeira de realizador em madeira e lona. A leveza da estrutura metálica recria a madeira maciça; a conjugação do assento moldado em contraplacado marítimo com a forma do encosto metálico representam a lona. O conforto e simplicidade do desenho compõem espaços sóbrios e originais.

Pedro Sottomayor

Em 2009, Pedro Sottomayor fundou o seu gabinete de design em Lisboa. Desde então, o seu trabalho tem sido pautado por duas vertentes principais: o desenvolvimento de novos produtos e a direção criativa para marcas e empresas.

Natural do Porto, Pedro foi para Itália estudar desenho industrial e aprender diretamente com os mestres italianos. A sua experiência em Itália foi crucial para desenvolver os princípios que orientam a sua abordagem ao design: beleza, cultura e consciência do design, todos canalizados para uma produção industrial eficiente.

Em 2016, Pedro Sottomayor ganhou um concurso organizado pela Câmara Municipal de Lisboa para conceber o novo layout, regulamentos e equipamentos para as áreas exteriores dos cafés no centro da cidade. Desenhou alguns dos novos móveis, produzidos pela Adico, e foi responsável pela coordenação de todo o processo.

Maria

Ano: 2017

A cadeira Maria de Pedro Sottomayor bebeu inspiração na cadeira portuguesa, a 5008. Uma cadeira empilhável para jardim com uma nova visão, em alumínio, com um tampo contínuo e leve, braços estruturais reduzidos e pintura Epoxy.

Manel

Ano: 2017

A cadeira Manel de Pedro Sottomayor segue a linha de construção da cadeira Maria, com ligeiras diferenças, como os braços maiores, que a aproximam ainda mais da cadeira portuguesa, mas com o tampo contínuo e leve, característico das duas criações de Sottomayor.

António Cayuelas Porras

António Cayuelas Porras, arquiteto andaluz, cresceu em Córdoba, trabalhou e viveu em Sevilha e, desde 2015, vive em Grenada, onde é professor na Escola Técnica Superior de Arquitetura da Universidade de Granada.

Em paralelo com o seu trabalho como arquiteto, tem uma vasta experiência em design e design de interiores, e vê o trabalho como a melhor oficina de aprendizagem. Como designer, quer contribuir para melhorar o habitat das pessoas e resolver situações não abordadas pela indústria.

Atualmente, está a desenvolver uma série de novos designs de móveis e produtos, como a Serie García Lorca de estantes para a Metalundia.

Andaluza

Ano: 2016

A cadeira Andaluza surge da confluência do círculo como reflexo de um conceito mais mediterrânico, reminiscente do rasto deixado pelo giro da dança flamenca.

Esta ideia, traduzida no funcionamento da curvatura do tubo e da chapa de aço, procura um carácter envolvente e confortável para uma cadeira urbana, especialmente adequada para espaços exteriores.

André Pinto

André Pinto, nascido no Porto em 1985, estudou Design do Produto no Instituto Politécnico de Viana do Castelo, onde concluiu a sua formação superior. Colaborou em estúdios de design industrial portugueses, mas adquiriu o gosto pela ligação imediata entre o desenho e o fabrico, integrando a equipa da Adico em 2009, onde é hoje o responsável pelo Departamento Técnico e Head Designer.

Desenvolve projetos de forma estratégica, desde o conceito criativo à sua forma final. “Vejo o design como um todo, em que as mais diversas áreas se devem sempre complementar e onde cada produto deve ser capaz de contar histórias e proporcionar novas experiências” — André Pinto.

Através da sua participação no concurso “Take a Seat”, promovido pela Adico, estabeleceu o seu primeiro contacto com a empresa. Desde logo se fascinou pela sua história e pela busca constante por novas formas de sentar. Após a conclusão do seu estágio profissional, passou a integrar os quadros da Adico, na qual, até hoje, sente a responsabilidade de acrescentar novos e bonitos capítulos à já longa historia.

786-B

Ano: 2017

O banco alto 786-B de André Pinto eleva a cota de um clássico da Adico — a cadeira 786-A — com uma redefinição de proporções e equilíbrio visual. Após um olhar mais atento, manifesta-se muito além da sua aplicabilidade interior e exterior.‎ A harmonia das suas formas, intemporal e fluída, prepara-a para conviver em todos os tipos de ambientes.‎

5008-B

Ano: 2019

Ampliando a família da Cadeira Portuguesa — 5008 — e respondendo aos novos estilos de vida, o 5008-B possibilita o convivio no mesmo espaço de forma completamente integrada.

C111

Ano: 2016

De desenho minimalista, a C111 é uma solução para diferentes spots, onde se privilegia o relaxamento.

Baze

Ano: 2019

Otimizar e apoiar são os atributos-chave da solução Baze.

Emília Dias

Emília Dias, nascida em Oliveira de Azeméis em 1991, estudou Design Industrial na Universidade de Aveiro. Foi na Universidade que tomou conhecimento da Adico, que desde logo a cativou.

Enquanto profissional, teve a oportunidade de pertencer aos quadros da empresa como designer residente. O seu gosto pela Bauhaus, aliado à história da Adico, transformou o mobiliário metálico na sua inspiração, onde o projeto assume uma unidade, desde o conceito até à produção industrial.

No âmbito do seu estágio profissional, sendo este o seu primeiro contacto com a Adico, rapidamente estabeleceu uma ligação e empatia com o produto, nomeadamente, com a sua linguagem tubular, em que o tubo se assume como principal protagonista.

591

Ano: 2017

A mesa quadrada 591 reimagina um formato clássico e transforma-o com a introdução de uma estrutura de suporte que se traduz em movimento e elegância.

Eduardo Rodrigues

Eduardo Rodrigues, formado em Design de Produto pelo Instituto Politécnico de Viana do Castelo, iniciou e passou na Adico metade da sua vida profissional, empresa à qual se refere como “segunda escola, onde lhe foi permitido evoluir enquanto profissional e enquanto pessoa”.

A ligação à Adico partiu de um estágio profissional na LA Design, entre 2005 e 2006, onde realizou diversos trabalhos para a Adico. Foi, posteriormente, responsável pelo departamento de investigação e desenvolvimento na Adico, de 2007 a 2014, na área de hotelaria e contract.

Capa e Capa Lounge

Ano: 2008 e 2013

Com linhas consistentes, em que o metal e a madeira se harmonizam, a forma dos modelos Capa confere-lhes ergonomia e um caráter de “novos clássicos”. A sua personalidade multifacetada permite-lhes, através da cor, a integração em qualquer tipo de ambiente, desde o mais clássico ao mais irreverente.

Luís Solénio Laranjeira

Arquiteto, formado pela FAUP em 1988, trabalha nas áreas de habitação, equipamento, planeamento urbano e desenho de mobiliário. Integra, desde 2004, com a arquiteta Adelina Costa, a empresa LA Design, sediada em Avanca.

Iniciou a sua colaboração com a Adico em 1990, tendo desde então a seu cargo os projetos de arquitetura para as instalações da empresa. No âmbito do design de produto, foi autor de mobiliário para restauração entre 1994 e 2008, e de mobiliário hospitalar entre 2008 e 2018. Foi ainda autor de diversos stands de exposição para feiras em que a Adico participou.

A cadeira “Arpa” tem um desenho vagamente zoomórfico e carateriza-se por ter uma estrutura de forma simples com referência à geometria da “Cadeira Portuguesa”, mas espacialmente mais contida. Cada uma das três versões personaliza-se nas formas do assento e, principalmente, do encosto.

Arpa 1

Ano: 2003

Moderada e equilibrada, difunde um clima brando no meio envolvente, sem perder a visibilidade da sua personalidade. As suas cores pastel facilitam a interação com distintos elementos do espaço, mantendo a autonomia da comunicação estrutural.

Arpa 2

Ano: 2003

De linhas ondeantes, integra-se em ambientes urbanos em diálogo com materiais naturais mais vincados, como sejam, a madeira e a pedra. A conjugação de cores foi estudada para coexistirem em conjunto.

Arpa 3

Ano: 2003

De linhas mais sóbrias, esta cadeira contribui para a dinamização dos espaços, sem perder a lógica do contexto.

Z

Ano: 2004

Do desenho orgânico, simples de um só gesto livre, com encosto inspirado na lona, a cadeira Z é direcionada para ambientes modernos, onde as cores aliadas à sua estrutura linear em Z projetam um toque de sofisticação.

Realizador

Ano: 2004

Este projeto surge como uma interpretação metálica da tradicional cadeira de realizador em madeira e lona. A leveza da estrutura metálica recria a madeira maciça; a conjugação do assento moldado em contraplacado marítimo com a forma do encosto metálico representam a lona. O conforto e simplicidade do desenho compõem espaços sóbrios e originais.

Pedro Sottomayor

Em 2009, Pedro Sottomayor fundou o seu gabinete de design em Lisboa. Desde então, o seu trabalho tem sido pautado por duas vertentes principais: o desenvolvimento de novos produtos e a direção criativa para marcas e empresas.

Natural do Porto, Pedro foi para Itália estudar desenho industrial e aprender diretamente com os mestres italianos. A sua experiência em Itália foi crucial para desenvolver os princípios que orientam a sua abordagem ao design: beleza, cultura e consciência do design, todos canalizados para uma produção industrial eficiente.

Em 2016, Pedro Sottomayor ganhou um concurso organizado pela Câmara Municipal de Lisboa para conceber o novo layout, regulamentos e equipamentos para as áreas exteriores dos cafés no centro da cidade. Desenhou alguns dos novos móveis, produzidos pela Adico, e foi responsável pela coordenação de todo o processo.

Maria

Ano: 2017

A cadeira Maria de Pedro Sottomayor bebeu inspiração na cadeira portuguesa, a 5008. Uma cadeira empilhável para jardim com uma nova visão, em alumínio, com um tampo contínuo e leve, braços estruturais reduzidos e pintura Epoxy.

Manel

Ano: 2017

A cadeira Manel de Pedro Sottomayor segue a linha de construção da cadeira Maria, com ligeiras diferenças, como os braços maiores, que a aproximam ainda mais da cadeira portuguesa, mas com o tampo contínuo e leve, característico das duas criações de Sottomayor.

António Cayuelas Porras

António Cayuelas Porras, arquiteto andaluz, cresceu em Córdoba, trabalhou e viveu em Sevilha e, desde 2015, vive em Grenada, onde é professor na Escola Técnica Superior de Arquitetura da Universidade de Granada.

Em paralelo com o seu trabalho como arquiteto, tem uma vasta experiência em design e design de interiores, e vê o trabalho como a melhor oficina de aprendizagem. Como designer, quer contribuir para melhorar o habitat das pessoas e resolver situações não abordadas pela indústria.

Atualmente, está a desenvolver uma série de novos designs de móveis e produtos, como a Serie García Lorca de estantes para a Metalundia.

Andaluza

Ano: 2016

A cadeira Andaluza surge da confluência do círculo como reflexo de um conceito mais mediterrânico, reminiscente do rasto deixado pelo giro da dança flamenca.

Esta ideia, traduzida no funcionamento da curvatura do tubo e da chapa de aço, procura um carácter envolvente e confortável para uma cadeira urbana, especialmente adequada para espaços exteriores.

André Pinto

André Pinto, nascido no Porto em 1985, estudou Design do Produto no Instituto Politécnico de Viana do Castelo, onde concluiu a sua formação superior. Colaborou em estúdios de design industrial portugueses, mas adquiriu o gosto pela ligação imediata entre o desenho e o fabrico, integrando a equipa da Adico em 2009, onde é hoje o responsável pelo Departamento Técnico e Head Designer.

Desenvolve projetos de forma estratégica, desde o conceito criativo à sua forma final. “Vejo o design como um todo, em que as mais diversas áreas se devem sempre complementar e onde cada produto deve ser capaz de contar histórias e proporcionar novas experiências” — André Pinto.

Através da sua participação no concurso “Take a Seat”, promovido pela Adico, estabeleceu o seu primeiro contacto com a empresa. Desde logo se fascinou pela sua história e pela busca constante por novas formas de sentar. Após a conclusão do seu estágio profissional, passou a integrar os quadros da Adico, na qual, até hoje, sente a responsabilidade de acrescentar novos e bonitos capítulos à já longa história.

786-B

Ano: 2017

O banco alto 786-B de André Pinto eleva a cota de um clássico da Adico — a cadeira 786-A — com uma redefinição de proporções e equilíbrio visual. Após um olhar mais atento, manifesta-se muito além da sua aplicabilidade interior e exterior.‎ A harmonia das suas formas, intemporal e fluída, prepara-a para conviver em todos os tipos de ambientes.‎

5008-B

Ano: 2019

Ampliando a família da Cadeira Portuguesa — 5008 — e respondendo aos novos estilos de vida, o 5008-B possibilita o convivio no mesmo espaço de forma completamente integrada.

C111

Ano: 2016

De desenho minimalista, a C111 é uma solução para diferentes spots, onde se privilegia o relaxamento.

Baze

Ano: 2019

Otimizar e apoiar são os atributos-chave da solução Baze.

Emília Dias

Emília Dias, nascida em Oliveira de Azeméis em 1991, estudou Design Industrial na Universidade de Aveiro. Foi na Universidade que tomou conhecimento da Adico, que desde logo a cativou.

Enquanto profissional, teve a oportunidade de pertencer aos quadros da empresa como designer residente. O seu gosto pela Bauhaus, aliado à história da Adico, transformou o mobiliário metálico na sua inspiração, onde o projeto assume uma unidade, desde o conceito até à produção industrial.

No âmbito do seu estágio profissional, sendo este o seu primeiro contacto com a Adico, rapidamente estabeleceu uma ligação e empatia com o produto, nomeadamente, com a sua linguagem tubular, em que o tubo se assume como principal protagonista.

591

Ano: 2017

A mesa quadrada 591 reimagina um formato clássico e transforma-o com a introdução de uma estrutura de suporte que se traduz em movimento e elegância.

Eduardo Rodrigues

Eduardo Rodrigues, formado em Design de Produto pelo Instituto Politécnico de Viana do Castelo, iniciou e passou na Adico metade da sua vida profissional, empresa à qual se refere como “segunda escola, onde lhe foi permitido evoluir enquanto profissional e enquanto pessoa”.

A ligação à Adico partiu de um estágio profissional na LA Design, entre 2005 e 2006, onde realizou diversos trabalhos para a Adico. Foi, posteriormente, responsável pelo departamento de investigação e desenvolvimento na Adico, de 2007 a 2014, na área de hotelaria e contract.

Capa e Capa Lounge

Ano: 2008 e 2013

Com linhas consistentes, em que o metal e a madeira se harmonizam, a forma dos modelos Capa confere-lhes ergonomia e um caráter de “novos clássicos”. A sua personalidade multifacetada permite-lhes, através da cor, a integração em qualquer tipo de ambiente, desde o mais clássico ao mais irreverente.

REGISTER

Your personal data will be used to support your experience throughout this website, to manage access to your account, and for other purposes described in our política de privacidade.